Por que não investir em títulos de capitalização?

Por mais que os Títulos de Capitalização muitas vezes sejam vistos pelas pessoas como tal, eles não são uma modalidade de investimento. Segundo a regulamentação sobre o produto, ele é considerado como um seguro e as instituições bancárias costumam vendê-los como um tipo de jogo.

Provavelmente, o gerente do seu banco, pelo menos uma vez na sua vida, já deve ter oferecido um Título de Capitalização para você.

E mesmo que seja um produto semelhante a um jogo de loteria e que oferece rendimentos baixos, sendo menores inclusive dos que o da poupança, ainda assim, muita gente insiste em continuar adquirindo Títulos de Capitalização e acreditando que eles sejam um bom investimento.

No artigo de hoje você vai descobrir porque investir em Títulos de Capitalização não vale tanto a pena quanto parece. Confira.

Os títulos de capitalização, na realidade, são um jogo e não um investimento financeiro

Como já dissemos, os Títulos de Capitalização são comercializados pelas instituições financeiras como um tipo de jogo, que oferece ao comprador do produto a chance de conseguir de volta parte ou todo o dinheiro que gastou na sua aquisição.

O jogador, assim, realiza o pagamento do Título de forma integral ou parcelada, e então recebe o direito de concorrer a sorteios, dos quais os prêmios podem ser bens ou valores em dinheiro.

As opções de Títulos de Capitalização mais conhecidas no mercado costumam custar pouco, ser pagos em apenas uma parcela e de forma geral, o comprador recebe de volta apenas uma pequena parte do valor pago por eles, isso quando consegue algum retorno do valor investido de fato.

Desta forma, fica claro que um Título de Capitalização funciona de forma semelhante a um bilhete da loteria e não como uma aplicação financeira de fato.

Existem alguns Títulos de Capitalização que são comercializados como se fossem uma poupança programada, com a cobrança de um valor de mensalidade por determinado período de tempo.

Neste caso, o retorno do valor pago é integral, mas apenas depois que o comprador quite todas as parcelas. Essas parcelas, em geral, costumam ser bem caras, inclusive.

Uma das críticas mais fortes que podem ser feitas a esse produto é o fato de que, por funcionar como um jogo, o ideal é que o mesmo sequer fosse comercializado por instituições bancárias, como acontece na maior parte das vezes.

Quando você vai até a sua agência bancária, você não vai pensando em fazer uma aposta, mas sim uma aplicação financeira, não é mesmo?

Além disso, é importante lembrar que, mesmo que muitas vezes os Títulos de Capitalização sejam comparados a caderneta de poupança, que sequer chega a ser a melhor aplicação financeira disponível no mercado, essa é uma comparação inadequada, uma vez que o produto não se configura como uma modalidade de investimento.

A regulação do produto é realizada pela Superintendência de Seguros Privados – a Susep – que está ligada ao Ministério da Fazenda, entretanto, na maior parte das vezes, o mesmo é vendido por instituições financeiras, cuja regulação é de responsabilidade do Banco Central.

O rendimento de um título de capitalização é inferior ao da poupança

Atualmente, a caderneta de poupança tem um rendimento de 70% da taxa Selic, somada a taxa referencial, isso acontece quando o rendimento da Selic é de 8,5% ou inferior (que é o cenário atual). Quando a Selic está acima de 8,5% ao ano, o rendimento da poupança é de 0,5% por mês, somado à taxa referencial, que está zerada desde setembro do ano de 2017.

Essa é a nova regra da poupança que entrou em vigor em maio de 2012, antes a poupança rendia 0,5% ao mês em valor fixo mais a TR.

Essa regra antiga de rentabilidade da caderneta de poupança, é, normalmente a remuneração paga pelos Títulos de Capitalização que são vendidos como uma poupança programada.

Porém, é importante saber que o valor total das parcelas pagas a cada mês pelo comprador não rende esses 0,5% + TR, mas apenas uma parte do pagamento mensal é que vai ser rentabilizado, o que compõe a cota de capitalização.

O valor restante vai para cota de carregamento que é algo semelhante a uma taxa de administração, e para a cota de sorteio, que serve para custear os prêmios oferecidos pelo Título de Capitalização comprado. Em especial nos meses iniciais, o valor da cota de capitalização é bastante baixo.

Vamos exemplificar, usando um produto real, que vem sendo de fato comercializado pelos bancos.

Neste caso, somente 10% do montante pago nos três meses iniciais é que vão para a cota de capitalização e serão remunerados com uma taxa de juros.

Entre as parcelas do 4º ao 23º mês, o percentual da mensalidade que vai para a cota de capitalização é de 90%. Já da 24ª até a 48ª parcela, o percentual é de 97,98%.

No produto que citamos, a remuneração se dá da seguinte maneira:

  • Juros de 0,45% + TR a cada mês, entre a 1ª e a 12ª parcela;
  • Juros de 0,5% + TR a cada mês, entre a 13ª e a 48ª parcela;

Neste caso, a rentabilidade é maior que a rentabilidade da poupança, que no momento é de cerca de 0,40% a cada mês somada a uma taxa referencial, que com os juros em baixa, fica perto de zero.

Ainda assim, investir dinheiro na poupança mensalmente ainda é mais vantajoso que no produto citado, uma vez que, grande parte das parcelas pagas no mesmo acaba se perdendo nos custos, e na caderneta de poupança, por sua vez, o montante é capitalizado de forma integral.

Supondo que a rentabilidade da caderneta de poupança fique estável, dessa forma, investindo 100 reais mensalmente na mesma por um período de 48 meses – prazo igual ao da opção entre os Títulos de Capitalização que citamos – ao final do tempo, o resgate será de 5301,28 reais.

Caso os mesmos 100 reais sejam pagos mensalmente nas parcelas do título citado, o resgate será de 4800,05 reais. O que representa uma diferença de pouco mais de 500 reais.

Observando o exemplo citado, é possível concluir que “investir” em Títulos de Capitalização é praticamente a mesma coisa que guardar dinheiro embaixo do colchão, já que o dinheiro não rende praticamente nada.

No exemplo citado, se você passar 48 meses investindo 100 reais no produto, ao final do prazo, vai ter um retorno de 4800 reais, ou seja, somente 800 reais de diferença depois de 4 anos de investimento. Parece valer a pena?

É provável que você precise pagar o Imposto de Renda

Assim como a caderneta de poupança, no mercado de investimentos atual, há diversos outros produtos que são isentos do pagamento de imposto de renda, como é o caso de aluguéis de fundos imobiliários e das letras de crédito imobiliário e do agronegócio (LCI’s e LCA’s).

Já quando se trata dos Títulos de Capitalização, se o comprador fizer um resgate ao final do prazo de um valor um pouco superior ao total das mensalidades, ele terá de pagar Imposto de Renda em relação aos seus ganhos.

A alíquota do IR cobrada nesses casos é de 20%, o que diminui ainda mais a rentabilidade dos Títulos de Capitalização, que já não é muito alta.

Além disso, e o comprador for contemplado com um prêmio em dinheiro, terá 25% do valor total do mesmo retido na fonte, da mesma forma que ocorre com qualquer prêmio financeiro.

O dinheiro “investido” fica preso e se você precisar resgatá-lo antes do final do prazo, sofrerá sanções

No caso da modalidade Títulos de Capitalização semelhantes a poupanças programadas, é prometido ao comprador que o mesmo terá o valor recebido de volta, de forma corrigida, no final do prazo do título.

Entretanto, se por alguma eventualidade, o comprador quiser resgatar esse valor em um momento anterior ao prazo de vencimento, de forma geral, somente uma parte do montante total poderá ser reavida por ele. O que, na prática, funciona como uma penalidade.

E tem mais, em muitos Títulos de Capitalização existe um período de carência, que normalmente é de 1 ano, período de tempo no qual, o montante ficará de fato preso, uma vez que o comprador não poderá resgatá-lo de forma alguma.

Além disso, existem outras sanções para o comprador. No caso do título que citamos anteriormente, por exemplo, se o comprador não pagar mais de 3 mensalidades, o título será suspenso e enquanto a suspensão durar, ele não vai poder participar de nenhum dos sorteios.

Caso o pagamento não seja realizado por um período de 4 meses, o título será cancelado e então, apenas uma parte do valor das mensalidades é devolvido ao comprador, da mesma forma que ocorre no resgate antecipado.

Agora você já sabe porque investir seu dinheiro em Títulos de Capitalização não vale a pena. Se deseja investir dinheiro e ter uma boa rentabilidade, o ideal é procurar uma aplicação financeira.

Se você gostou desse artigo e quer saber mais sobre investimentos, em nosso blog você pode encontrar muito mais conteúdo como esse. Para isso, continue acompanhando as nossas postagens e confira também as nossas publicações anteriores.

Artigos que podem ser úteis para você: Investimentos seguros para iniciantes | Títulos públicos X títulos privados

Compartilhe esse artigo com seus amigos! ;)
By | 2018-10-31T12:53:39+00:00 outubro 31st, 2018|Investimentos, Renda Fixa|0 Comments

Leave A Comment