Como montar uma carteira de investimentos de curto, médio e longo prazo

Quando a gente pensa em começar um investimento, é normal que tenhamos um objetivo para aquele dinheiro. Como, por exemplo, fazer um curso de culinária com certa urgência, pois viver de macarrão instantâneo já não dá mais, ir à Copa do Mundo no Qatar em 2022 ou até acumular patrimônio suficiente para viver de renda e não precisar mais trabalhar daqui a 20 anos.

Você já deve saber que para realizar cada uma dessas metas, você deve poupar e investir seu dinheiro com inteligência. Mas o que de repente você não sabe, é que para cada cenário, existem investimentos que podem te ajudar dependendo do tempo que está disposto a se planejar, ou seja, até a data da realização do seu objetivo.

No artigo de hoje vamos falar sobre investimentos de curto, médio e longo prazo. Então, se você quer saber como se planejar e organizar suas finanças para alcançar seus objetivos com menos esforços e maior tranquilidade, veio ao lugar certo.

Lembrando sempre que antes de qualquer coisa, eu recomendo que você vá nesse link e converse com o Rufino para descobrir qual o seu perfil de investidor. Esse é um dos passos mais importantes para você tomar melhores decisões em relação ao seu dinheiro e também pela sua paz interior. Se não sabe sobre o que eu estou falando, tem um texto aqui no blog que a gente explica qual a importância do suitability.

Curto prazo

O curto prazo é definido geralmente como um período de até dois anos. Então, feita a sua escolha do produto financeiro, o seu prazo de resgate deve estar dentro deste tempo. Aplicar em produtos com liquidez diária e uma excelente estratégia também.

Assim, se o seu plano for fazer uma viagem daqui a dois anos ou mesmo um curso para impulsionar na sua carreira dentro de alguns meses, existem investimentos que podem te ajudar nesse caminho.

Tesouro Selic (LFT)

O Tesouro Selic ou Letra Financeira do Tesouro (LFT) é um título pós-fixado e possui sua rentabilidade atrelada a variação da Taxa Selic, que é a taxa básica de juros da nossa economia. Você consegue investir em títulos públicos a partir de 1% do valor do título, desde que respeitado o valor mínimo de R$30,00. Essa é uma grande vantagem, pois mesmo com pouco dinheiro é possível começar a investir.

Outra vantagem é a liquidez diária dessa aplicação, o Tesouro Selic é um título com prazo de resgate, porém, caso você precise do dinheiro antes dessa data, poderá vender os seus títulos para o Tesouro e essa operação ocorre todos os dias. É só acessar a área restrita para o investidor de 18h às 5h nos dias úteis e nos finais de semana e feriados a qualquer momento e por lá dar o comando de venda dos papéis que desejar.

Em uma aplicação prática, vamos supor que você colocou como meta em um ano passar suas férias em Punta del Este e em uma pesquisa na internet viu que irá precisar de R$5.000 para passar uma semana luxuosa por lá. Em uma simulação na calculadora do App Renda Fixa, caso você escolha aplicar seu dinheiro no Tesouro Selic, terá que investir e fazer aportes mensais de R$380 durante esse período para obter aproximadamente esse valor. Lembrando que você deve acompanhar o preço das passagens e hospedagens com certa frequência para ficar de olho em boas oportunidades.

CDB

Os CDBs (Certificados de Depósitos Bancários) são também uma boa opção para aplicações de curto prazo, o ideal é optar por títulos com liquidez diária ou de prazos de vencimento mais curtos. Sempre invista em CDBs que paguem uma taxa acima de 100% da taxa DI, geralmente você consegue facilmente essa taxa em bancos menores.

Bancos menores, por não serem conhecidos pelo grande público, precisam oferecer algumas vantagens para os investidores. O pensamento é o seguinte, imagine que um amigo seu de longa data resolve pedir um dinheiro emprestado a você para pagar algumas prestações que faltam de seu carro, vocês estudaram juntos no colégio, você conhece toda sua família e sabe que é de boa índole. Agora um colega que entrou na sua empresa há dois meses também faz a você um pedido de empréstimo, apesar de trabalharem no mesmo lugar, você conhece bem pouco o sujeito.

É claro que para essas duas situações serem no mínimo passíveis de serem comparadas, seu colega de trabalho deve oferecer alguma vantagem que seja superior a que seu amigo de infância precisaria oferecer. É justamente isso que os bancos de menor porte fazem, eles pagam maiores taxas pela confiança dos investidores. Já os bancos grandes não precisam utilizar tal estratégia para fazer com que seus produtos sejam mais atrativos.

Porém, existe um fundo que possui como objetivo proteger o investidor, o FGC (Fundo Garantidor de Crédito). Já falamos sobre ele neste artigo aqui. Uma vantagem assim é que os CDBs possuem cobertura do FGC até o limite de R$250.000 por CPF e conglomerado financeiro. Então, caso o banco vá a falência e não consiga pagar o seu investimento, seu capital estará protegido até esse valor.

Fundos de Renda Fixa

Os Fundos de Renda Fixa são uma modalidade de investimento na qual pelo menos 80% do seu patrimônio estará aplicado em produtos de renda fixa como CDBs, Títulos do Tesouro, Letras Financeiras, entre outros. A diferença de comprar uma cota de um Fundo de Renda Fixa e comprar Títulos de Renda Fixa diretamente é a diversificação e a gestão profissional que o fundo oferece. Ou seja, ao invés de ter um só título, você terá vários em sua carteira de investimento, o que dilui o seu risco e você também não terá que se preocupar em fazer as alocações, o gestor cuidará desse ponto para você.

Os fundos de investimento não possuem garantia do FGC (Fundo Garantidor de Crédito), mas isso não quer dizer que você corre maiores riscos ao fazer esse tipo de investimento. Por conta da diversificação do portfólio do fundo, o risco se torna menor. Alocar recursos em diversos produtos pode ser considerada uma excelente estratégia para se proteger e obter uma boa rentabilidade. Os preços dos ativos não se movimentam de maneira conjunta, portanto, diversificar protege das diferentes respostas aos cenários externos e até mesmo internos.

É interessante que você procure fundos com um prazo de compensação mais curto, é possível ter acesso a essa informação na plataforma da sua corretora. Geralmente a indicação vem no formato D+ o número de dias, esse número corresponde aos dias que irão levar para o dinheiro da aplicação ir para a sua conta. Assim, para uma maior liquidez, um menor número de dias é o indicado.

LCI e LCA

LCI (Letra de Crédito Imobiliário) e LCA (Letra de Crédito de Agronegócio) são investimentos com destino específico. Isso quer dizer que todo dinheiro captado através das LCIs deverão ser usadas para financiar crédito imobiliário, garantidos por hipoteca ou por alienação fiduciária de imóvel. O mesmo acontece com as LCAs, mas para o setor agrícola.

Por serem dois setores de muita importância para a economia do país, o governo isenta o investidor dos impostos destas aplicações como forma de criar um incentivo e despertar maior interesse das pessoas. Essa é uma grande vantagem dessas aplicações, pois sabemos que por conta dos impostos, uma grande fatia do rendimento dos investimentos acaba ficando comprometida.

Você consegue encontrar LCIs e LCAs com prazo de resgate a partir de três meses. Então, mesmo se a sua meta for de curtíssimo prazo, não há mais desculpas para deixar seu dinheiro guardado na gaveta rendendo só olho gordo da família querendo te pedir uma grana emprestada. É importante lembrar que mesmo se após esses três meses você decidir postergar seus planos, poderá reinvestir seu dinheiro em outro produto ou no mesmo, caso ele ainda esteja disponível na plataforma da corretora.

Médio prazo

Para um objetivo de médio prazo, você poderá aplicar seu dinheiro em produtos com prazos de resgate de dois a cinco anos. Sabendo com um pouco mais de exatidão quanto tempo você possui para cumprir com suas metas, fica mais simples fazer a sua organização financeira.

Fundos Multimercado

Os Fundos Multimercado são alternativas de investimento muito interessantes para quem deseja montar uma carteira  de médio prazo. Para participar destes fundos, o investidor deve realizar aportes para adquirir determinado número de cotas, esse número será proporcional ao recebimento do rendimento do fundo. Aqueles que tiverem um maior número de cotas receberão uma fatia maior do rendimento, aqueles com um menor número, uma menor.

A partir daí, a gestão do investimento fica por conta do profissional responsável por gerir o fundo do qual o investidor agora faz parte. Os fundos multimercados permitem ao gestor realizar investimentos nos mais diversos produtos – resultando no aumento da diversificação da carteira para o investidor.

Os fundos multimercado unem estratégias de investimentos em ativos de renda fixa e de renda variável. Os fundos de renda fixa alocam os recursos majoritariamente em títulos públicos e privados, enquanto os de renda variável alocam a maior parte dos recursos em ativos de mesmo nome. Por sua vez, os multimercados mesclam ambas estratégias, ao alocar os recursos em ativos tanto de renda fixa quanto de renda variável.

CDB

Já falamos sobre o CDB para objetivos de curto prazo, mas a grande vantagem desse investimento é que você pode encontrar uma ampla diversificação de prazos e taxas dependendo dos emissores dos títulos. Existem CDBs com liquidez diária, o que é bastante vantajoso para os investidores que precisam converter suas aplicações em dinheiro facilmente e de preferência sem perda de valor.

Porém, caso o prazo do seu objetivo seja mais longo, você poderá fazer uma aplicação período de resgate maior, o que é vantajoso duplamente. Primeiro que para produtos com vencimentos mais longos, as taxas costumam ser mais vantajosas. Você consegue encontrar CDBs com rentabilidade acima de 13% no prazo de cinco anos, o que é uma taxa bem alta.

Por exemplo, se você aplicar R$1.000 em um CDB que renda 13,5% com data de vencimento para cinco anos terá no final do período de saldo líquido R$1.736,61, contra os R$1.249,17 da sua ex melhor amiga caderneta de poupança. Porque se você ainda confia em algo no qual você deixa o seu dinheiro por cinco longos anos e te devolve menos de R$250, precisamos rever alguns conceitos.

Quando você aplica seu dinheiro em um CDB, você estará emprestando dinheiro para o banco. O banco será o intermediador financeiro da operação, ele irá oferecer o seu dinheiro para pessoas e empresas que precisam desse recurso. Diferentemente das LCAs e LCIs, não há um destino específico para o dinheiro aplicado em CDBs, ou seja, não há um lastro nessa operação. Por isso você encontra diversos títulos disponíveis no mercado.

Tesouro Prefixado

O Tesouro Prefixado é um título com rentabilidade definida no momento da compra. Assim, no momento da compra do título o investidor já sabe a taxa de juros vai remunerar seu investimento e o valor que irá resgatar no período combinado. Mas é muito importante estar atento a essa data de vencimento, caso você precise vender seu título antes o Tesouro Nacional terá o compromisso de recompra, porém a preço de mercado, ou seja, caso esse preço será menor do que o que você pagou pela aplicação, poderá perder dinheiro.

O Tesouro Prefixado está na categoria de investimentos para objetivos de médio prazo, pois sofrem a incidência de imposto de renda na tabela regressiva tendo sua alíquota mínima de 15% após o prazo de dois anos. Na plataforma do Tesouro consegue encontrar títulos do Tesouro Prefixado com vencimento para datas dentro do período de cinco anos, que pagam taxas muito boas e com investimento mínimo bem pequeno. Se você não acredita em mim (o que nessa altura é algo que você já deveria), entra lá no simulador do tesouro e tira suas próprias conclusões.

Longo Prazo

Chegamos ao longo prazo, se o seu objetivo estiver em um horizonte temporal mais longo, acima de cinco anos, aqui estão algumas alternativas de investimento que você poderá considerar.

Tesouro IPCA+

O Tesouro IPCA+ é considerado um título pós-fixado, uma vez que o investidor não sabe qual será o valor de resgate na data de vencimento. A rentabilidade está atrelada a duas variáveis: uma taxa prefixada contratada no momento da aplicação como, por exemplo, 5% e a variação do IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) do período.

Esse título é indicado para o investidor que pretende poupar pensando em objetivos de prazos mais longos, como aposentadoria ou compra da casa própria. Não é indicado para formação da reserva de emergência, uma vez que o preço desse título sofre muitas oscilações durante o prazo da aplicação e há risco de perda do valor caso você o resgate antes do vencimento.

Como o seu rendimento é acima da inflação, o seu poder de compra será garantido, algo que deve ser levado em consideração em qualquer aplicação. Investimentos que rendem abaixo do índice acabam não compensando

Fundo de Investimento Imobiliário

Coloquei a alternativa de investir em Fundos Imobiliários para uma carteira de longo prazo pensando naquelas pessoas que possuem um pouco mais de apetite ao risco. Um Fundo de Investimento é uma reunião de recursos de investidores com o objetivo de obter um retorno através da alocação destes recursos em uma cesta de ativos financeiros. Cada investidor comprará cotas do fundo e receberá rendimento de acordo com o número de cotas que possui.

Em um Fundo Imobiliário o objetivo é aplicar recursos no setor imobiliário. Existem logicamente os riscos também desse setor, por isso é importante avaliar dados como a localização dos imóveis e as datas dos contratos de aluguel antes de aplicar o seu dinheiro.

As formas de ganhar dinheiro com um FII são duas, através da valorização da sua cota (que estará sujeita às oscilações do mercado) e também do pagamento de um aluguel mensal. Esse aluguel nada mais é que o rendimento dos imóveis que compõem a carteira do fundo. O investidor irá receber essa quantia mensalmente direto na conta da corretora e não pagará imposto de renda sobre esse valor.

Previdência Privada

Mas caso você prefira ter mais segurança e seu objetivo seja a aposentadoria daqui a uns bons 20 ou 30 anos, a Previdência Privada pode ser uma alternativa a considerar. É importante que você avalie todas as taxas envolvidas no seu investimento, muitas instituições financeiras cobram altas taxas de carregamento, sempre verifique e faça as contas do quanto você pretende acumular para saber o quanto deverá depositar mensalmente.

É importante também entender seu perfil e objetivos, isso não só para a previdência, mas para todas as decisões de investimentos. O dinheiro alocado na previdência deve ser um montante a parte do seu orçamento. Resgatar antes do prazo pode ser um péssimo negócio, uma vez que a tributação e as taxas são altas e podem comprometer seu tempo de acúmulo.

Espero que tenha ficado mais claro como os prazos dos objetivos são importantes para a escolha das aplicações. Por hoje é isso, já sabem que qualquer dúvida é só falar com a gente aqui pelos comentários.

Até mais!

Artigos que podem ser úteis: A importância do suitability para o investidor | Perguntas que você deve fazer antes de investir

Compartilhe esse artigo com seus amigos! ;)
By | 2018-06-29T17:51:12+00:00 julho 2nd, 2018|Investimentos, Renda Fixa, Renda Variavel|4 Comments

About the Author:

Fernanda Fonseca
É formada em Economia com especialização em Finanças e pós graduada em Economia Comportamental. Curiosa por assuntos que envolvam o comportamento humano e decisões financeiras.

4 Comments

  1. Ibraim Sued julho 4, 2018 at 11:26 pm - Reply

    Fernanda, no atual cenário, como comparar uma taxa de IPCA+% com uma taxa %CDI? Estou buscando uma comparação simples mesmo, um valor de IPCA+% a partir do qual ele seja mais vantajoso que CDI, sei que há a questão dos prazos em jogo também.

    • Fernanda Fonseca
      Fernanda Fonseca julho 5, 2018 at 4:04 pm - Reply

      Ibraim, no aplicativo renda fixa você consegue comparar aplicações com essas taxas e ver as rentabilidades respectivas. É só ir no nosso buscador de investimentos, na opção “tipo” você seleciona IPCA e CDI, coloca o prazo e capital que deseja aplicar e lá vão aparecer várias alternativas de investimento hoje disponíveis no mercado sempre respeitando o que você está em busca.

  2. Rafael Barbosa Roncador julho 2, 2018 at 1:51 pm - Reply

    Olá Fernanda! Muito obrigado por compartilhar essa importantíssima. Tenho interesse em estudar mais sobre investimentos, talvez numa pós graduação. Você tem alguma indicação de cursos nesse sentido?

    • Fernanda Fonseca
      Fernanda Fonseca julho 2, 2018 at 8:49 pm - Reply

      Oi, Rafael, muito legal que você se interessa pela área, é realmente importante que a gente tenha conhecimento e autonomia sobre o nosso dinheiro. Eu recomendo muito os cursos da B3, como não sei em que região você mora e como é a sua rotina, na plataforma da B3 educacional existem algumas alternativas de cursos online gratuitos, o material deles é de muita qualidade. Caso você se anime e queira fazer o curso presencial de uma área específica, a B3 educacional fica no Rio de Janeiro e em São Paulo.

Leave A Comment