Como investir com a Selic em queda?

Vimos em 2017 a Selic sair dos dois dígitos e alcançar o patamar de 7% ao ano. E o ano de 2018 começou com mais uma queda, atingindo o nível atual de 6,75% ao ano, decidido na última reunião do COPOM (Comitê de Política Monetária), realizada nos dias 6 e 7 de fevereiro deste ano.

Você já cansou de ouvir por aí que, mesmo com a queda da Selic, os juros reais continuam altos. Mas por que isso acontece? A melhor forma de entender as constantes mudanças na taxa básica de juros da nossa economia é entender a sistemática de todo o negócio.

Basicamente, a Selic é uma das principais formas utilizada pelo governo para controlar a inflação, que consiste no aumento generalizado dos preços de produtos e serviços. No Brasil, o índice utilizado para medir a inflação oficial é o IPCA (índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), que leva em consideração uma cesta de produtos e serviços e abrange as famílias com renda mensal de 1 (um) até 40 (quarenta) salários mínimos.

Quando a inflação está alta, a tendência é que o governo ajuste a Selic para cima para diminuir a oferta de crédito e frear o consumo e, consequentemente, desacelerar o aumento de preços.  Já quando a inflação está em queda, a tendência é que a Selic seja ajustada para baixo. É exatamente este o cenário que estamos vivendo atualmente, mas isso não quer dizer que os investimentos de renda fixa deixaram de ser interessantes.

A reclamação de muitos investidores é que a rentabilidade nominal dos títulos de renda fixa sofreram uma queda brusca se compararmos com 2015, por exemplo, em que a Selic chegou a 14,25% ao ano. Mas um ponto que muitas pessoas não se atentam é que a inflação daquele período estava muito alta em comparação com os valores atuais. Para se ter uma ideia, o ano de 2015 encerrou com o IPCA acumulado de 10,67% ao ano, enquanto que 2017 o acumulado foi de apenas 2,95%.

Para saber a rentabilidade real de um investimento, é necessário descontar a inflação dos juros que serão pagos sobre o capital investido, e não apenas olhar a rentabilidade nominal do investimento. Analisando friamente os números, é possível constatar que, atualmente, os juros reais estão mais altos do que em períodos em que a Selic estava bem alta. Por tudo que foi explicado, não há motivo para pânico.

Independente do cenário econômico, um passo muito importante para investir com consciência é saber qual é o seu perfil de investidor, que vai identificar, entre outras coisas, qual é o seu nível de tolerância ao risco. De nada adianta alocar uma parte do seu capital em investimentos de renda variável se você não tem perfil para isso. Portanto, é necessário ter muito cuidado para não fugir do seu perfil, principalmente neste momento de queda da taxa de juros.

Para quem pretende manter seus investimentos alocados em renda fixa, é muito importante consultar e comparar a rentabilidade oferecida pelas instituições financeiras, algo que o App Renda Fixa pode te ajudar. Entre corretoras, bancos e financeiras, são mais de 20 instituições com títulos listados na plataforma. Com mais de 300 mil downloads, o aplicativo tem hoje cerca de 80 mil usuários ativos por mês, com ticket médio de R$ 40 mil.

Espero que esse artigo tenha te ajudado a esclarecer sobre a queda da selic. Ficou com alguma dúvida? Quer sugerir algum tema pra gente falar aqui no blog? Comente aqui embaixo que a gente responder o mais rápido possível! Abração =)

Compartilhe esse artigo com seus amigos! ;)
By | 2018-03-12T12:17:14+00:00 março 12th, 2018|Investimentos, Renda Fixa|0 Comments

About the Author:

Felipe Pires
Formado em Administração pela PUC-SP, é apaixonado por temas relacionados a investimentos e finanças pessoais. Atua como diretor de conteúdo do App Renda Fixa e editor-chefe do Blog Renda Fixa.

Leave A Comment