Investidor não residente: saiba como investir morando fora do Brasil

Investidor não residente: saiba como investir morando fora do Brasil

Você pretende sair do Brasil para morar em outro país definitivamente ou então já até mora nos Estados Unidos ou em qualquer outro país do nosso planeta e quer continuar a aproveitar as altas taxas do Brasil e até mesmo iniciar agora os seus investimentos de uma vez por todas, só que no seu país de origem? Então esse artigo foi feito para você!

O Brasil, apesar de apresentar uma taxa selic baixa atualmente, isso quando comparamos com os demais dados históricos desta mesma taxa, ainda sim continua sendo um dos países que mais pagam juros aos seus investidores, superando inclusive países de primeiro mundo. Isso acontece porque o nosso país precisa ter uma captação maior para poder financiar obras na saúde, educação e em vários outros setores de importância primária.

Já conferiu nossos materiais gratuitos?
(eBooks, Cursos e muito mais!)

Abaixo podemos ver o desempenho da taxa selic desde 2.000 a 2018, podemos observar facilmente a tendência de baixa ao longo do tempo mesmo com as oscilações que aconteceram em 2002-2004.

Essa taxa regula todas as demais taxas que temos no mercado, é a partir dela que os empréstimos nos bancos se tornam mais caros ou mais baratos, isso porque os bancos partem da taxa selic para estimarem qual será a taxa que irão cobrar em média. Outro ponto que  acaba sendo muito afetado é o consumo geral da sociedade, isso acontece tanto na alta quanto na baixa dessa taxa da seguinte maneira, uma selic baixa vai diminuir o preço pago pelas pessoas e pelas empresas ao pegarem empréstimos nos bancos, isso faz com que o poder de compra aumente e impulsione o consumo positivamente, fazendo a economia girar, gerando mais consumo temos também mais empresas produzindo e mais pessoas sendo contratadas para fazerem parte da mão de obra.

Em contrapartida, os investimentos em renda fixa deixam de ser tão atrativos já que também dependem da taxa selic, com a taxa selic mais baixa, os títulos tanto públicos quanto privados acabam pagando taxas menores aos seus investidores que podem acabar migrando para a renda variável ou até mesmo deixando de investir por considerarem que não vale a pena se privar do consumo em troca de uma taxa que consideram tão baixa.

Do outro lado temos que quando a taxa selic aumenta o consumo diminui e os empréstimos se tornam mais caros tanto para as pessoas quanto para as empresa, desaquecendo a economia, o ponto positivo é que os rentistas passam a ter uma rentabilidade maior em seus investimentos de renda fixa.

Quando comparamos a taxa que temos no Brasil com as demais taxas do mundo, notamos que dentro de 167 países, o Brasil está na posição 51 com a selic mais baixa que já tivemos, o país que possui a taxa de juros mais alta do mundo é a Argentina, seguida do Iêmen, Suriname, Turquia e Venezuela, seguindo o resto dos países.

Alguns países desta lista possuem taxa de 0% como a Áustria, Bélgica, França, Alemanha, Itália, Portugal, Espanha entre outros. Também existem os países que possuem uma taxa de juros negativa, que significa que o investidor praticamente pagaria para investir o seu dinheiro, como é no caso do Japão, Suécia, Dinamarca e Suíça.

Então dependendo de onde o investidor for morar, compensa mais investir no Brasil do que no novo país de residência. Abaixo disponibilizamos a tabela com a lista dos 167 países e as taxas de juros respectivas a maio de 2019.

Começando a lista dos 167 países em ordem decrescente de maior taxa encontrada na Argentina de 70,82% para a menor encontrada na Suíça de -0,75%. Todos os dados para a elaboração das tabelas foram retirados da plataforma do Trading Economics.


Agora que já vimos a diferença entre as taxas dos principais países, você já consegue saber se é mais vantajoso investir no Brasil mesmo morando em outro país ou se é mais vantajoso investir diretamente no novo país do investidor.

Agora em se tratando de possibilidade do investidor caracterizado como não residente investir no Brasil, temos que é necessário que haja a declaração de saída do Brasil junto a Receita Federal, a comunicação com o banco brasileiro onde o investidor tiver conta também precisa ser realizada para que assim o banco possa caracterizar o investidor como não residente e mudar a sua conta devidamente. Se o investidor não residente não tiver essa declaração e/ou não tiver notificado o banco brasileiro, enfrentará problemas para investir no Brasil estando de fora. Após realizar estes dois procedimentos, o investidor não residente terá que verificar se a sua corretora situada aqui no Brasil aceita ou não tê-lo como investidor, a maioria das corretoras não costuma aceitar este tipo de operação, por isso é importante verificar junto aos canais de atendimento da sua instituição financeira, caso você pretenda sair do Brasil definitivamente e mesmo assim continuar investindo nele.

Outro ponto importante a ser tratado é que os investidores não residentes possuem limitações quanto ao valor que pode ser transacionado, por exemplo, existe a limitação de R$9.999,99 e excedendo este valor, terá a obrigação de realizar um contrato de câmbio. A tentativa de realizar a transferência pode resultar no retorno da mesma, isso porque as corretoras não costumam aceitar a futura aplicação.

Mas como nem tudo é impossível, principalmente em se tratando de mercado financeiro, existe a possibilidade do investidor não residente investir em títulos públicos do Tesouro Nacional. Para isso, a CVM (Comissão de Valores Mobiliários) órgão regulador do mercado de capitais, obriga a contratação de um representante legal por parte do brasileiro que agora vive no exterior e que deseja adquirir títulos públicos brasileiros, as taxas cobradas por esse serviço costumam atingir cerca de R$5.000,00 em média por mês. Então verifique se o investimento do país natal ainda é atrativo para você mesmo com essa alta taxa.

A obrigatoriedade de se ter um representante legal que envie os relatórios mensalmente para a CVM pode ser anulada caso o investidor não residente ainda possua conta em um banco situado no Brasil e queira investir em um título emitido por esse mesmo banco, como é o caso de CDB, então o uso do representante legal não é mais obrigatório.

Outro ponto importante é que tanto a Poupança e Previdência Privada não são reguladas pela CVM e sim pela SUSEP. O imposto de renda também muda para os investidores não residentes, por exemplo, a alíquota será de 25% no caso de resgate para a previdência privada.

Você pode desviar dessa burocratização investindo no Brasil através de corretoras no seu país atual, basta encontrar uma que faça essa intermediação e que tenha papéis brasileiros como no caso de ETF (Exchange Traded Funds) que são fundos no qual buscam reproduzir algum índice do mercado brasileiro, como o BOVA11 por exemplo, este fundo possui cerca de 67 tipos de ações, onde busca reproduzir o desenvolvimento do mercado brasileiro ao longo do tempo, o índice que o BOVA11 busca reproduzir é o índice da Bovespa, então conforme ocorra mais negociações de ações no geral dentro da bolsa de valores, mais esse ETF se valorizará. E também existe a possibilidade de investimento nas debêntures que são emitidas por empresas brasileiras, debênture nada mais é do que um título emitido por uma empresa comum com a finalidade de captar dinheiro a um juros mais baixo do que o que conseguiria no mercado, o prazo das debêntures costuma ser superior a três anos e a rentabilidade também costuma ser elevada, dado o risco que possui do emissor não ter dinheiro para pagar o investidor quando chegar o dia do vencimento. Para fugir dessa situação é possível que o investidor adquira debêntures que sejam conversíveis em ações, caso a empresa possua ações na bolsa de valores, assim, em um determinado dia pode trocar o título de renda fixa por ações.

Espero que você tenha gostado do nosso artigo sobre como funciona os investimentos no Brasil para investidores não residentes, temos muitos outros artigos legais em nosso blog e também vídeos sobre educação financeira, curiosidades, investimentos e economia comportamental em nosso canal no YouTube. Você também pode tirar dúvidas através do canal “Fale com o Especialista” e agendar uma sessão de consultoria.

Grande abraço e até a próxima.

Compartilhe esse artigo com seus amigos! ;)
2019-06-03T18:28:16+00:00

Leave A Comment