Qual a importância da educação financeira nas empresas para os funcionários?

Quando um funcionário está passando por problemas financeiros, é muito comum que seu rendimento no trabalho seja prejudicado, podendo levar a problemas tanto físicos quanto emocionais, elevando os afastamentos e diminuindo a produtividade, e nisso, uma boa educação financeira pode ajudar.

Isso porque a falta dessa educação é um fator determinante no desenvolvimento pessoal e profissional de qualquer pessoa.

Funcionários com uma boa educação financeira podem ter um equilíbrio maior em suas vidas, o que representa um ganho de desempenho e de produtividade no trabalho, em virtude disso, uma empresa que investe nisso, tem muito a ganhar.

Vamos falar no artigo de hoje sobre a importância da educação financeira nas empresas para os funcionários. Continue lendo para saber mais.

A saúde financeira dos funcionários traz benefícios para a empresa

Nas instituições de ensino, já existe uma forte tendência à adesão de orientações de educação financeira para os alunos e as empresas também passaram a adotar essa tendência, tendo se tornado, atualmente, essencial que as mesmas tenham alguma noção de como é a vida financeira de seus colaboradores.

É interessante que parte das empresas tenham passado a se preocupar com esse fator, já que isso não costumava ser um assunto abordado pelo sistema educacional do país.

Até alguns anos atrás, ninguém aprendia na escola ou na faculdade alguma noção de educação financeira, tais como boas práticas para o uso do cartão de crédito e do cheque especial ou para escolher os melhores tipos de aplicação financeira para investir dinheiro para o futuro, por exemplo.

Grande parte dos treinamentos no qual as organizações costumam investir tem foco em conhecimentos técnicos voltados para a área de atuação específica da empresa.

A missão de promover educação financeira para a conscientização dos funcionários é algo relativamente novo.

Para que um programa como esse seja aplicado em uma empresa, é necessário, em primeiro lugar, identificar qual é a situação financeira atual dos funcionários.

Depois, é necessário que a empresa sensibilize os na busca do objetivo da promoção de melhores hábitos em relação ao dinheiro, oferecendo palestras de especialistas no tema e despertando o interesse dos funcionários para o assunto.

O último degrau é desenvolver cursos que possam direcionar os colaboradores para ter melhores atitudes em relação às finanças a partir da realidade financeira de cada um deles.

Algumas organizações também estão investindo em postos de atendimento com orientações de educação financeira de plantão, promovendo um suporte diário para os seus funcionários.

Como as empresas podem ajudar a educar financeiramente seus funcionários

Podem ser utilizados testes que visam a identificação do perfil de cada funcionário, que podem estar em uma das 3 seguintes categorias:

  1. O endividado;
  2. O equilibrado – que não tem dívidas, mas também não conta com reservas financeiras;
  3. O investidor – que possui capital para realizar investimentos em negócios ou em bens.

É bem provável que um funcionário do perfil equilibrado possa se tornar um endividado no futuro uma vez que não tem reservas financeiras disponíveis.

A vida é cheia de imprevistos, como um possível adoecimento, um eventual desemprego, entre outros problemas que podem acontecer e que vão demandar alguma renda extra para serem solucionados.

Um colaborador estressado, que fica com o pensamento focado nas dívidas da sua casa, pode ter sua produtividade no trabalho afetada negativamente. Todos os problemas acarretados pela falta de educação financeira podem fazer com que um funcionário acabe perdendo o foco no seu trabalho.

Dessa forma, além de oferecer benefícios pessoais para os colaboradores, o investimento da empresa em estratégias de educação financeira também acaba resultando em vantagens para a organização.

Um funcionário com uma vida financeira mais estável, é capaz de desenvolver suas funções no trabalho de forma mais equilibrada e com mais motivação. Isso reduz os problemas como faltas no trabalho, além de ser um estímulo para o aumento da produtividade do profissional.

A equipe de Recursos Humanos de uma empresa pode avaliar a saúde financeira dos funcionários de uma forma bastante prática: a partir da demanda por crédito consignado, das solicitações de adiantamento do 13º salário ou através das vendas de um período ou de todo o período de férias.

Todos esses pontos podem indicar sinais de que é necessário investir na educação financeira dos funcionários para melhorar o desempenho dos mesmos no trabalho.

É importante ressaltar que atitudes como disponibilizar aumentos de salário, dos benefícios e dos auxílios sem adotar também práticas no sentido de promover a educação financeira dos colaboradores não é eficaz.

Se o funcionário não sabe como administrar melhor os seus rendimentos, provavelmente ele vai continuar enfrentando problemas financeiros que vão afetar seu rendimento no trabalho.

É importante que os colaboradores aprendam boas práticas para lidar com suas finanças, conseguindo poupar dinheiro para a realização dos seus sonhos e objetivos, ajustando o seu padrão de vida à sua realidade financeira e isso é promovido pela educação financeira.

Além disso, é relevante abordar temas como a aposentadoria, uma vez que boa parte dos trabalhadores do país não possuem e nem pensam em investir em planos de previdência privada e isso pode ser grave, uma vez que a dependência exclusiva do INSS não garante uma aposentadoria tranquila com estabilidade e segurança financeira.

É muito importante alertar os funcionários sobre esse problema e abordar o tema o mais rápido possível,

Dessa forma, os departamentos de Recursos Humanos das empresas devem investir num trabalho de educação financeira para os funcionários, combatendo as causas dos problemas financeiros dos colaboradores para que os efeitos sobre a produtividade da empresa possam ser reduzidos.

Para isso, é necessário desmistificar o conceito de educação financeira, promovendo uma mudança nos hábitos e nos costumes dos funcionários em relação ao uso do dinheiro.

Dicas para a promoção da educação financeira

Até pouco tempo atrás, as empresas não costumavam se preocupar com a educação financeira dos funcionários por causa da crença de que as finanças pessoais são um problema de cada pessoa.

Entretanto, agora as organizações começam a perceber que a falta de conhecimento dos colaboradores em relação ao uso do dinheiro causa impactos na produtividade e na motivação dos mesmos em relação ao trabalho e passam a investir em programas que possam solucionar esse problema.

Trazemos a seguir algumas orientações que podem ajudar uma empresa a começar um bom programa de educação financeira para os funcionários. Veja a lista abaixo:

  • Um bom programa de educação financeira para os funcionários de uma empresa não deve ser entendido apenas como palestras de finanças pessoais ou como investir em cursos de investimentos para os colaboradores;
  • É importante tratar a educação financeira como uma responsabilidade social da organização, que oferece vantagens não apenas para o funcionário, mas também para os familiares do mesmo, para a comunidade e para a própria empresa;
  • É necessário adotar critérios e se preocupar em orientar os funcionários antes de disponibilizar a opção do crédito consignado. O empréstimo deve ser realizado de forma consciente para que possa de fato auxiliar na solução de eventuais problemas financeiros do colaborador. Em muitos casos, o empréstimo consignado pode ser um alívio imediato nas contas, mas que, em alguns meses pode acabar se tornando um problema de proporções ainda maiores, em especial porque os ganhos líquidos a cada mês serão reduzidos em cerca de 30%;
  • O programa de educação financeira deve ser estruturado de maneira que seja adequado de forma simples aos diferentes perfis de necessidade, tanto da organização como dos seus colaboradores;
  • Campanhas voltadas para a conscientização e para mudanças de hábitos e costumes em relação ao uso do dinheiro devem ser criadas;
  • Antes de escolher algum programa de educação financeira, é importante que a empresa avalie toda a sua estrutura, levando em consideração fatores como o tempo, o método, o material de apoio e a disponibilidade dos funcionários;
  • Investir em um boa educação financeira é importante independente dos salários dos funcionários. Mesmo entre os colaboradores que recebem os salários mais altos, podem existir aqueles enfrentando problemas financeiros;
  • É necessário que a empresa entenda que o problema da falta de educação financeira não é culpa do trabalhador em si, mas sim um reflexo de um problema social do país;
  • A empresa que investe na promoção da saúde financeira de seus colaboradores também tem muito a ganhar, uma vez que funcionários que possuem uma vida financeira saudável e equilibrada, executam seus serviços com mais motivação, mais prazer e mais tranquilidade, podendo focar em seus próprios crescimentos pessoais, por retomarem a consciência de que precisam ter objetivos;
  • Os funcionários devem ser orientados a focarem no combate as causas dos seus problemas financeiros e não apenas em seus efeitos.

Agora você já sabe porque uma empresa investir em ações de educação financeira para os seus funcionários é tão importante.

Se você gostou desse artigo e quer ver mais conteúdo como esse, continue acompanhando as nossas postagens e confira também as nossas publicações anteriores.

Aqui no blog você encontra diversas dicas para ajudar você a cuidar da sua vida financeira, alcançando estabilidade e independência, além de dicas de investimentos para você aplicar o seu dinheiro e aumentar os seus rendimentos para que possa conquistar suas metas e objetivos. Fique ligado!

Artigos que podem ser úteis para você: Taxa de custódia do Tesouro Direto | Seu primeiro investimento: CDB

Compartilhe esse artigo com seus amigos! ;)
By | 2019-02-05T21:09:38+00:00 janeiro 29th, 2019|Dicas de como poupar|0 Comments

Leave A Comment