A importância de uma reserva de emergência

//A importância de uma reserva de emergência

A importância de uma reserva de emergência

Num país em que as taxas de juros são consideradas umas das mais altas do mundo, não ter uma reserva financeira é sinônimo de dor de cabeça num futuro não muito distante.

O efeito dos juros compostos brilha os olhos daqueles que conseguem poupar um pouco todo mês, mas pode ser devastador para quem está precisando de uma grana extra, uma vez que a rentabilidade oferecida para quem investe é infinitamente menor do que os juros cobrados pelos bancos para dar crédito.

Segundo o PROCON-SP, no início de junho de 2017 a taxa de juros média entre os grandes bancos para contratação de empréstimo pessoal foi de 6,35% ao mês, enquanto a taxa do cheque especial ficou em 13,47% ao mês, superando com sobra a taxa Selic over ao ano (!!!!!), que está em 10,15%.

Olhando esses números, fica fácil entender a importância de se ter uma reserva para ser usada em caso de necessidade. Antes de pensar em qualquer investimento a médio e longo prazos, o mais aconselhável é fazer o mais rápido possível sua reserva de emergência, pois você terá uma maior liberdade financeira sem comprometer seus investimentos de prazos mais longos, como aposentadoria ou compra de imóvel, por exemplo.

E o que é a reserva de emergência?

Como o próprio nome diz, essa reserva é para imprevistos que possam acontecer no nosso dia a dia, como desemprego, compra de remédios por problema de saúde inesperado, perda ou roubo de celular ou qualquer outro gasto emergencial que possa comprometer seu orçamento mensal.

É muito importante frisar que a reserva de emergência não é para ser usada em lazer ou compras por impulso, pois foge totalmente do objetivo final, que é dar uma segurança financeira em meio a imprevisibilidade do nosso cotidiano.

Qual é o valor que devo ter na minha reserva?

O ideal é que a reserva de emergência mantenha nossa tranquilidade mental e financeira no momento que a gente mais precisar. Para defini-la, depende muito de quais são as suas fontes de receitas mensais, o risco que você tem de perdê-las, os gastos mensais e a quantidade de pessoas que dependem de sua renda para sobreviver.

Por mais que você seja funcionário público e tenha a garantia da estabilidade no emprego, é importante ter uma reserva para outros gastos emergenciais que possam surgir. Quem trabalha sob o regime celetista precisa ter uma reserva um pouco maior, pois a valor da rescisão contratual bem como o seguro desemprego serão sua única fonte de renda em caso de demissão. Já profissionais autônomos e microempresários devem ter uma reserva ainda maior por não terem ganhos mensais regulares. Em todos os casos, quanto maior for a reserva de emergência, maior tranquilidade você terá em tempos de necessidades.

Não há uma regra específica que define o valor correto para esse fim. Como são muitas as variáveis que você deve levar em conta, o ideal é que você tenha entre 6 meses e 1 ano do valor dos seus gastos mensais na sua reserva de emergência. Se o seu custo de vida mensal gira em torno de R$ 2.000, sua reserva teria que ser de no mínimo R$ 12.000. Esse valor pode assustar, mas te dará uma sensação de segurança muito maior em tempos de vacas magras.

Como devo investir?

De que adianta colocar toda sua reserva de emergência em um investimento com ótima rentabilidade, mas com vencimento em 4 anos e sem liquidez diária? Em caso de urgência, a dor de cabeça é certa.

A rentabilidade deve ficar um pouco de lado nesse tipo de investimento, mas não jogada totalmente pra escanteio. O mais indicado é colocar seu dinheiro em investimentos com alta liquidez (facilidade de resgate), baixíssimo risco e que tragam uma remuneração que mantenha o seu poder de compra.

Por isso, no caso de investimentos em títulos públicos você pode optar pelo Tesouro Selic, considerado o investimento mais conservador e acessível do mercado, já que é possível investir a partir de R$ 30,00. Já nos títulos privados, uma boa opção são os CDBs com liquidez diária que pagam 100% da taxa DI, que são cobertos pelo FGC (Fundo Garantidor de Créditos) até o limite de R$ 250.000 por CPF e por emissor.

Espero que o artigo tenha sido proveitoso! Não esqueça de baixar o aplicativo Renda Fixa para encontrar o melhor investimento para sua reserva de emergência =)


App Renda Fixa
contato@rendafixa.rocks

By | 2019-05-20T18:17:00+00:00 julho 3rd, 2017|Investimentos|Comentários desativados em A importância de uma reserva de emergência

About the Author:

App Renda Fixa
É possível através do aplicativo Renda Fixa comparar, pesquisar vários tipos de investimentos reais por valor, período de vencimentos, tipos de investimentos e corretoras, podendo ser ordenados em sua pesquisa por taxa, vencimento, tipos de investimentos e corretoras. Baixe o app Renda Fixa. :)